"Se exponho a você minha nudez como pessoa, não me faça sentir vergonha!"

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Pode me chamar de preguiça

Minha esteira esconde um mistério. Aliás, estou cada vez mais convencida de que todas as esteiras do mundo guardam um grande segredo. É isso mesmo! Aquele aparelhinho elétrico que um dia foi o meu sonho de consumo, agora está me tirando o sono. Mas por que o ilustre equipamento passou de objeto de consumo a encosto?
O pesadelo começou quando decidi investir o meu rico dinheirinho naquela esteira linda, último lançamento, que enfeitava o corredor do shopping mais próximo da minha casa e me hipnotizava toda vez que eu passava. “Aceleração eletrônica por tecla, dois níveis de inclinação, painel com cinco janelas (velocidade, tempo, distância, caloria e pulsação) e a incrível tabela de controle cardíaco”. Tudo isso sem falar no “altíssimo índice de queima calórica e no enrijecimento das pernas”. Maravilha!
Resumindo: é claro que comprei! Dez pagamentos de 160 reais. Uma pechincha por um verdadeiro milagre. Seria fácil e indolor, garantia do vendedor. Minha esteira elétrica era “dobrável, fácil de executar e de guardar”. Só me restava colocar o aparelho mágico bem em frente à TV da sala e caminhar ou, quem sabe um dia, correr. Era o fim das terríveis gordurinhas localizadas.
Mas eis o enigma: minha esteira, tal qual o lobisomem, se transformou em um monstro. Aquela coisa feia no meio da sala não era mais a minha salvação. De artigo de luxo, privilégio de poucos, passou a cabideiro. Pasmem! Todos os moradores da casa penduram algum tipo de objeto no ex-milagre. Preciso confessar que caminhei e até corri, mas o entusiasmo durou pouco, muito pouco. Uma única vez para ser mais precisa, até que fui dominada pelo poder secreto das esteiras.
Então eu pergunto: por que um equipamento tão atraente, e tão caro, acaba inutilizado dentro de casa? Quem nunca aposentou uma esteira elétrica? O que fazer se ninguém se interessa pelo objeto depois que ele sai da loja? Vou revelar o mistério: o nome do aparelho é esteira, mas pode chamar de besteira. O bom é caminhar na rua, vendo gente. Ou na academia, pagando mensalidade, e vendo gente.
Mas o melhor mesmo é não caminhar, não fazer nada. Devo revelar que parei de vez, não estou mais malhando, nem em casa nem na academia. Meu lado Garfield me dominou, pode me chamar de preguiça, mas essa é uma outra história. Concluindo: esse negócio de equipamento milagroso é uma grande besteira, ou seria uma grande esteira?!

3 comentários:

Talca en Frecuencia disse...

Hola, Un afectuoso saludo desde Talca, Chile. Tienes un lindo e interesante blog.
Si quieres conocer mi ciudad visita mi blog Talca en Frecuencia.
Un abrazo chileno
Patricia.

Dri~ disse...

HUmmm!!! pois é.. Esteira, e as Biciclates tbm!!!! todas! tem um segredo magico que faz a gente comprar, e depois colocar em cima da lage pra ver se alguem roba ... 2 meses e ninguem roubou ainda xDD...

Curti o Blog moça ;D
Te Cuida!

Anônimo disse...

Tereza,
tenho uma coleção de equipamentos, mas nunca conseguiria traduzir tão bem como eles perdem o encanto assim que começam a juntar poeira!
bjs
karyne